O Imperalismo invade Cuba

Perante a admiração de uma imprensa subjugada aos interesses de quem a financia, o Mundo presta vassalagem ao pretito simpático que aterrou ontem em Havana, na grandiosa Cuba dos irmãos Castro. O imperialismo diante dos olhos dos nossos irmãos de Havana perante um poder local travestido e que esqueceu a luta em prol do seu povo.

Outrora exemplo da grande luta de classes que no fim sempre triunfará, os irmãos Castro traíram os Cubanos e serviram-nos em bandeja de ouro aos apetites do grande capital norte americano, mais esfomeado que nunca após a falência do seu sistema capitalista e ameaçado pela grande derrota que poderá conhecer nas urnas, ainda este ano.

Os reaccionários que desde sempre quiseram vergar Fidel ou Che Guevara foram ao longo de décadas sabotando as conquistas sociais e científicas da Ilha, cuja superioridade nunca foi compreendida pelas pseudo-elites americanas, sempre dispostas a colocarem um microfone perante um reaccionário afugentado pelo povo Cubano e confortado pelo grande capital do Tio Sam.

Obama é possivelmente o mais perigoso da linhagem de presidentes imperialistas e que travam uma batalha sem tréguas contra o povo, ávido de políticas patrióticas de esquerda que devolvam aos trabalhadores o papel central que lhes estará sempre reservado no fim dos combates. Ao colocar o seu sorriso cínico e procurando sob o manto racial afirmar-se como um conciliador e um farol da moral política, o presidente dos Estados Unidos acede a novas formas de manipulação, fazendo baixar barreiras de defesa que o povo nunca devia permitir que fossem devastadas.

Com a chegada do imperialismo económico, a justa distribuição de rendimentos e as conquistas colectivas nos domínios social, científico e económico do povo Cubano vão ruir para engordar ainda mais as sanguessugas do grande capital americano, que sempre quis poder usar a sua dimensão para sugar por gravidade a alma do povo heróico de Cuba.

Por isto, camaradas, é preciso dar luta sem tréguas à campanha de desinformação que sempre atingiu os nossos camaradas de Cuba e que agora branqueia a traição dos irmãos Castro ao povo que neles confiou para travar a mais justa de todas as batalhas - o fim do capitalismo e da economia de mercado. É contra a vassalagem dos povos ao grande capital que temos de nos erguer ontem, hoje e sempre em nome do supremo poder do povo!

Seja contra tribunais corruptos como no Brasil, contra reaccionários fanáticos na Venezuela ou contra imperialistas de sorriso bem posto em Cuba, o nosso combate triunfará. A luta continua!

Camarada JC

Não escrevo para o jornal Avante, mas se precisarem ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *